Aceitar Um Diagnóstico Torna-te Cego Para a Solução



A palavra crónico é usada para classificar um problema que se manifesta há já muito tempo. No entanto a palavra é muitas vezes entendida como um “para sempre”.


Se eu tenho uma doença crónica, a pessoa entende, é porque eu estou condenada a a ter para sempre.


E por este mesmo motivo, a irá ter para sempre!


O primeiro passo para a mudança é batermos o pé e dizermos “isto não é quem eu sou”, “isto não é o que eu quero para mim”, “já chega”, “tem de haver uma solução”.

Enquanto que alguém diz que o que tem faz parte de si, enquanto que alguém acredita que a situação não pode mudar, nada poderá mudar.


A maioria das pessoas ainda não sabe ... mas nós criamos a nossa realidade!


O nosso cérebro está formatado para focar em mais daquilo do que já acredita e para nos guiar na direção dessa verdade.


Tudo aquilo que vai contra as nossas crenças torna-se impossível para nós e nós cegos para isso.

Por isso, ter uma mente em constante observação e julgamento de si própria é importante, e importante também é uma mente que questiona constantemente tudo o que sabe e tudo o que pensa.


Só um estado de abertura a todas as possibilidades nos permite a cada dia, a cada minuto, a cada segundo, largar aquilo que temos como verdade e adquirir novo conhecimento e novas possibilidades para a nossa vida.

Mas normalmente não é assim que o ser humano funciona. Ele precisa de uma certa constante e certeza na sua vida e para isso precisa de validar constantemente as suas próprias crenças.

Tudo o resto daria muito trabalho. Iria dar muito desconforto. E iria o fazer sair da sua zona de conforto.


Largar aquilo que sabemos é isso, é sair da nossa zona de conforto e aceitar mergulhar no desconhecido.


Por mais que o conhecido seja mau, é aquilo que sabemos e conhecemos e aceitamos como verdade … e dá-nos um certo conforto saber quem somos!


E um diagnóstico dá-nos isso. Dá-nos uma definição de quem somos que conseguimos aceitar. Dá-nos o conforto da certeza do que foi, do que é, e do que irá continuar a ser.

Dá-nos um arrumar de ideias para podermos por isso de lado, lá na caixinha do que já está definido, e podermos continuar com a nossa vida e dar atenção a outras coisas que ainda precisam de ser resolvidas.


Por mais que o sofrimento físico possa ser muito, o conforto psicológico que o diagnóstico dá, permite que a vida continue a fazer sentido.


Mas faz isto sentido?

Faz se não queremos mais para nós.

Faz se nos conformamos a uma ideia de quem somos.

Faz se não conseguimos acreditar na possibilidade da existência de tudo aquilo que ainda não conseguimos ver e sentir.


Se aquilo que um sabe, é tudo o que se permite aceitar como verdade e possível, então largar o que sabe seria perder-se da realidade e de si próprio.


Mas se aceitar sujeitar-se ao desconforto inevitável que ocorre inicialmente ao largar a ideia de quem é, irá descobrir que o vazio não ocorre, que não mergulha em nenhum buraco escuro, mas sim renasce para uma outra realidade … aquela realidade que sonha para si!


**

Partilho aqui também um vídeo anterior sobre o mesmo tema.



Contacto

+(351) 922 265 933​

wellbeing.terapias@gmail.com

Morada

Av. dos Pescadores, 549

4490-013 Aver-O-Mar

Póvoa de Varzim

Porto, Portugal

WELLBEING&LIVING BY THE SEA

       

Orientação para a Gestão do Stress e Desbloqueio de Vida

Massagens e Terapias | Formação e Workshops