Contacto

+(351) 922 265 933​

wellbeing.terapias@gmail.com

Morada

Av. dos Pescadores, 549

4490-013 Aver-O-Mar

Póvoa de Varzim

Porto, Portugal

WELLBEING&LIVING BY THE SEA

       

Orientação para a Gestão do Stress e Desbloqueio de Vida

Massagens e Terapias | Formação e Workshops

O Meu Monstro Chamado Ego!



Vou falar do meu e do teu, porque toda a gente tem. O Ego é como tudo o que faz parte de nós. É útil, desde que não seja em exagero! Mas o Ego apresenta caraterísticas, por muitos ignoradas, que podem ser muito prejudiciais.

O Ego é esta imagem que eu tenho de mim. Uma identidade criada e baseada nas coisas que tenho, seja uma casa ou uma nacionalidade, um estado civil, uma maneira de agir, de pensar, de ser.

Quem vive só do Ego, nunca sabe verdadeiramente quem é, apenas sabe quem é esta personagem que criou durante esta sua existência. Pergunta ao Ego quem és e irás ouvir respostas como, sou a mãe da Sofia, o filho do António, o engenheiro Miguel, a esposa do Cardoso, etc, etc ... Neste sentido, uma mulher que sempre se viu sendo a Esposa do Sr. Tal, pode ver num divórcio o fim da sua existência, mesmo que não fosse feliz nesse casamento. E um homem que se identifica com as duas ou três letras antes do seu nome, não será capaz de desprender-se deste Eu criado, correndo o risco de sentir que perde a sua personalidade.

O Ego precisa de descrever o que tem, porque sem ter nada não é ninguém. Quanto maior o valor dado ao que se tem, maior o Ego e maior a importância auto-atribuída.

Não há nada de mal em ter-se uma alta imagem de si próprio ou de alguma das suas caraterísticas, até poderá ser muito produtivo na evolução da nossa vida. Mas há só um problema, um grande problema. O Ego não vive do que pensa de si ... Vive do que os outros pensam de si!

Se o Ego está, e está, dependente da opinião e julgamento dos outros, será sempre inconstante, e tão depressa pode passar a mais como passar a ser menos. A tal expressão, "Passar de cavalo para burro". Perder tudo ou a única coisa que engrandecia o Ego pode muito facilmente representar para uma pessoa deixar de ser alguém, passar a ser um zero à esquerda!

Viver do Ego traz-nos grandes limitações para a nossa vida! Muitas escolhas serão feitas motivadas pelo e para o engrandecimento do Ego. Muitas opções não serão consideradas para que o Ego não perca a sua identidade.

Resumindo, não irás viver a tua vida em função do que te deixa feliz e corresponde ao teu Ser único e pessoal. Irás viver uma vida em função das ideias assimiladas do que alguém no teu papel deverá ser e fazer. Irás viver para sempre confinado dentro de um "colete de forças" que é a identidade que criaste ou desejas criar.

Mas há ainda uma outra limitação, talvez mais importante, oferecida pelo facto de o Ego viver (ou morrer) da opinião dos outros. É que quando essa opinião não é boa, tudo cai por terra, e com isso o nosso valor também.

Quando o Ego não é reconhecido sente-se desvalorizado, injustiçado, inferiorizado! É assim que nos sentimos, porque são esses os pensamentos que temos, e são estes pensamentos que alteram as vibrações da nossa energia!

Quanto mais vivemos do Ego, mais oscilantes vão ser as nossas vibrações e mais difíceis de controlar. Mais andaremos (a nossa energia) ao sabor do vento, diga-se, da atitude dos outros. É o perder o controlo de nós próprios e da nossa vida!

Por isso, se estás rodeado de familiares e amigos que te apoiam e engrandecem, poderás até sentir o Ego como um catalisador para o teu bem-estar e prosperidade. Se não for o caso, será a oportunidade de perceberes que mais tarde ou mais cedo o Ego será o teu pior inimigo. E mais vale cedo do que tarde!